quarta-feira, 5 de agosto de 2009

A Casa do Sal está presente, durante o Mês de Agosto, no Núcleo Museológico do Sal da Figueira da Foz: degustações e sais,tudo com muita salicórnia


Núcleo Museológico do Sal

Núcleo Museológico do Sal

Núcleo Museológico do Sal

Núcleo Museológico do Sal

Núcleo Museológico do Sal

Onde Fica:
Em Armazéns de Lavos (freg. Lavos), na Salina Municipal do Corredor da Cobra.

Horários de Abertura:

Horário de Verão:
1 de Julho a 30 de Setembro
Quarta-feira a Domingo/Feriados:
10h30 às 12h30/14h30 às 18h45m
Encerrado às Segundas e Terças feiras.

Horário de Inverno:
1 de Outubro a 30 de Junho
Quarta-feira, Sábado, Domingo, Feriados:
10h00 às 12h30/14h00 às 16h00
Encerrado às Segundas, Terças, Quintas e Sextas feiras.

Entradas:
2 Euros/pax;
25 Euros/grupo organizado mais de 15 pax;

Gratuito:
Crianças até 12 anos; Cartão Senior Figueira; Cartão Jovem e Estudante.

Desconto 50%:
Jovens entre 13 e 25 anos; Adultos maiores de 65 anos; Professores.


Contactos para informações ou visitas guiadas a grupos:
Tel.: Museu Municipal Santos Rocha – 233 402 840;
Tel.: Núcleo Museológico do Sal - 966 344 488;
e-mail: museu@cm-figfoz.pt



Inaugurado a 18 de Agosto de 2007, fica situado em Armazéns de Lavos, freguesia de Lavos, na Salina Municipal do Corredor da Cobra.
Durante séculos, a produção de pequenos cristais regulares de sal, isentos de impurezas, era utilizada em grandes quantidades pela frota piscatória local (bacalhau e sardinha). O sal subia o rio Mondego até aos diversos entrepostos que posteriormente o distribuíam pelos confins da Beira, para a conservação das carnes e dos queijos. Este sal saía também da barra e, em brigues e escunas, chegava a pontos tão distantes como o Báltico ou a Nova Inglaterra. A partir da década de 1970, as alterações drásticas no mercado e nos circuitos de comercialização levaram a uma desvalorização progressiva do sal produzido artesanalmente.
Gradualmente, as salinas conheceram um processo de abandono.
Por esta razão e pelo facto de as salinas serem um elemento essencial da paisagem e do imaginário da Figueira da Foz, a Câmara Municipal adquiriu, em 2000, a Salina do Corredor da Cobra, no sentido de permitir à comunidade a fruição de todo este legado cultural.

O Núcleo Museológico do Sal é uma extensão museológica do Museu Municipal Santos Rocha, dependente organicamente da Divisão de Cultura, Biblioteca e Arquivos da Câmara Municipal da Figueira da Foz, a quem cabe a gestão, promoção e divulgação.
O conceito geral do Núcleo Museológico do Sal baseia-se na ideia que as salinas e o sal são uma actividade em que se cruzam múltiplos aspectos: históricos, etnográficos, paisagísticos, ambientais e económicos, e que devem ser explorados de forma integrada.
Por outro lado, actualmente, os museus de sal e outros meios interpretativos em áreas salineiras, constituem instrumentos de valorização da actividade e dos sítios, e não apenas meros depósitos de instrumentos e documentação relacionados com o sal.
No caso da Figueira da Foz, a criação de um núcleo museológico, em plena salina, constitui uma mais valia notável, a que acresce a existência de um armazém e de uma rota pedestre, permitindo que a visita compreenda a integração destes três espaços que se complementam e completam: Marinha do Corredor da Cobra, Armazém de Sal e Núcleo Museológico.

Com a abertura do Núcleo Museológico do Sal, a Câmara Municipal da Figueira da Foz pretende globalmente difundir um espaço aberto, campo de experimentação e produção de conhecimento, estruturante de novas identidades que o constituem, a partir de diferentes formas de relação entre Homem, sociedade, cultura e natureza.
Neste sentido, e dando apoio a uma estratégia global de informação suportada, desde o primeiro momento, na reactivação e manutenção contínua da actividade salineira, a Autarquia procurou igualmente dar condições para que esta salina funcionasse também como área de formação para novos marnotos, como centro interpretativo e laboratorial para diversos estudos de biodiversidade do seu ecossistema-tipo, e como unidade didáctica de lazer e de interactividade fruída pelos diversos públicos que visitam este espaço tão singular e característico.
Assim, a criação de um Núcleo Museológico sito em plena salina – e complementado com a existência de um Armazém de Sal, de uma Rota Pedestre pelo salgado e de uma futura Rota Fluvial pelo estuário do Rio Mondego – permitirá a fruição integrada de diferentes espaços que se devem explorar na complementaridade e riqueza dos seus tributos e significados.

Missão:
Constituído com a missão de interpretar, valorizar e difundir testemunhos singulares reportados à relação secular do Homem com o território das salinas do concelho da Figueira da Foz, o Núcleo Museológico do Sal pretende ainda informar, educar e sensibilizar os diversos públicos para a necessidade de preservação de uma actividade tradicional e de um produto artesanal; funcionar como um centro local e nacional aberto à investigação e informação sobre a riqueza da biodiversidade deste ecossistema singular em que se insere a salicultura; promover e divulgar nacional e internacionalmente o salgado da Figueira da Foz; e contribuir de forma integrada para a valorização deste património como factor de desenvolvimento local sustentável.
Objectivos:
Constituem objectivos gerais deste Núcleo: valorizar, divulgar e dinamizar parte muito singular do tecido patrimonial do concelho; potenciar e favorecer as acções susceptíveis de o dinamizar; promover a recolha, o estudo e inventário de colecções etnográficas, testemunhos e outros patrimónios que contribuam para o enriquecimento do espólio; criar dinâmicas expositivas e outras que afirmem o equipamento cultural como um espaço vivo; promover e desenvolver práticas e serviços educativos que sensibilizem os diferentes públicos para a necessidade de preservar as heranças cultural e ambiental; fidelizar e formar novos públicos; informar, educar e sensibilizar os seus visitantes para uma actividade e um produto artesanal, em vias de extinção; e apoiar iniciativas culturais e outras consentâneas com as missões do Núcleo Museológico do Sal e do Museu Municipal.
A Exposição Permanente
Dividido este espaço em quatro (4) sectores, o visitante é confrontado com a explanação de cinco (5) grandes temas: O que é o Sal; O Sal na Natureza; História do Sal em Portugal; A Tecnologia do Sal na Figueira da Foz e O Ciclo de Produção; e As Salinas e a Conservação da Natureza.
O programa museológico foi concebido pela empresa de consultoria ambiental Mãe d’água, Lda, com o apoio e acompanhamento dos serviços culturais da Autarquia.
Dependência Orgânica
O Núcleo Museológico do Sal é uma dependência orgânica do Museu Municipal Santos Rocha, integrados na Divisão de Cultura, Biblioteca e Arquivos da Câmara Municipal.
Informações Complementares:
Para além do horário de abertura do Núcleo, a salina municipal na qual ele se integra, permanece disfrutável e de acesso livre.
A salina municipal é igualmente ponto de partida/chegada da Rota das Salinas.
A visita ao Armazém do Sal integra igualmente este complexo cultural e ambiental.
Visita Guiada à Rota das Salinas
(pela empresa Sinergiae) Informações, inscrições e horários podem ser solicitados nos Postos de Turismo da Figueira, em www.figueiraturismo.com ou pelo tel.: 239 821 057.

Câmara Municipal da Figueira da Foz
Av. Saraiva de Carvalho 3084 - 501 Figueira da Foz
tel.:+351 233 403 300 - fax:+351 233 403 310
municipe@cm-figfoz.pt

Sem comentários: